Considere utilizar Rust!

Rust é uma linguagem de programação de sistemas de código aberto que se concentra em Performance, Concorrência e Segurança de Memória.

Os desenvolvedores estão usando o Rust para criar uma ampla gama de novos aplicativos de software, como engines de jogos, sistemas operacionais, sistemas de arquivos, componentes atuais do Firefox e futuros, …

Em pesquisa de opinião da Stack Overflow, ela está entre as mais amadas por 4 anos seguidos e os desenvolvedores desejavam desenvolver com a linguagem Rust. Top!

Entre algumas características positivas do Rust temos:

* Código Nativo, você pode distribuir direto o seu binário. Aplicações como o npm foram desenvolvidas para rust.

* A linguagem e o compilador tentam Prever Problemas que acontecem em
tempo de execução. Como eles tentam evitar um conjunto de erros e problemas comuns, a
linguagem traz um conjunto de práticas que melhoram o seu estilo de
programação
.

* Rust tem o conceito de Ownership, isto é, um valor pode ser propriedade de apenas uma variável, quandoessa variável sair de contexto, o valor sai da memória, então NÃO tem Garbage Collection. Durante um Garbage Collection, a rotina verifica se tem alguém usando esse valor, o que tem um custo.

* Exceptions não coisas legais, em Rust você deve tratar as exceções.

* Ferramentas Modernas. O Rust, através do Cargo, já tem práticas modernas como Gerenciamento de Bibliotecas, Testes, Documentação, ….

* Rust está entre as melhores linguagem de programação para WebAssembly. O WebAssembly (abreviado Wasm) é um formato de instrução binário para execução nos Navegadores e Servidor de Aplicações.

Mas nem tudo são flores:

Algumas características negativas do Rust temos:

* Rust não é fácil de aprender.

* A linguagem ainda é nova, algumas features estão disponíveis apenas na versão nightly.

* Faltam items corporativos, isto é, senti falta de drivers para Banco de Dados.

Mas o que me chamou minha atenção sobre Rust é a possibilidade de economia que a sua performance e uso reduzido de memória pode trazer. Os provedores de nuvem definem suas unidades de processamento por flavors (sabores) de equipamentos levando em conta Cpu vs Memória. Uma aplicação que performa melhor terá influência direta no flavor utilizado e no valor da fatura no fim do mês. No artigo Parsing logs 230x faster with Rust – André.Arko.net, o autor descreve com como ele passou de US$ 1000,00 por mês para US$ 0 por mês, reescrevendo um script com Rust.

Se estiver disposto a arriscar, aprenda Rust. Comece desenvolvendo microsserviços, funções Lambda (Serverless), Scripts ou otimizando aplicações, através de uso de bibliotecas (.dll/.so), criadas em rust.

Não estou falando que Rust é a linguagem certa, mas acho que vale o investimento, você não estará sozinho.

Quer saber mais:

Leia também:

Cluster Kubernetes no VirtualBox usando Vagrant e CentOS

Montei um cluster Kubernetes com 3 nós no VirtualBox, sendo 1 master e 2 workers, usando o Vagrant e rodando o CentOS Linux 7.

Pra melhorar o entendimento do meu ambiente, montei um esquema da rede pra facilitar, veja abaixo:

Na virtual machine temos 2 interfaces de rede:

  • eth0 configurado como NAT e que tem acesso à internet
  • eth1 configurado com host only

O acesso ao cluster através da máquina host é através de uma interface vboxnetN, criado pelo VirtualBox:

  • Master node master.k8s.com com o ip 172.42.42.100 na interface eth1
  • Worker node 1 node1.k8s.com com o ip 172.42.42.101 na interface eth1
  • Worker node 2 node2.k8s.com com o ip 172.42.42.102 na interface eth1

Após você instalar a sua aplicação e expor o serviço, você pode acessar através de um browser, usando as urls https://172.42.42.100:<porta_servico>, https://172.42.42.101:<porta_servico>, https://172.42.42.102:<porta_servico> .

Se você quiser testar ou ver o código fonte, postei no meu GitHub https://github.com/ebasso/kubernetes-vagrant, também mostro como configurar o kubectl para acessar o ambiente. bye.

Leia também:

  • Sem textos relacionados

Expondo a sua aplicação no Kubernetes

Não vou explicar conceitos do Kubernetes, pois não é o meu foco aqui, a idéia é comparar com o modelo tradicional afim de entender melhor o Kubernetes.

Se você precisa expor qualquer serviço executando dentro de um cluster Kubernetes, você deve utilizar o Ingress.

Para explicar de forma rápida o Ingress, montei o seguinte diagrama:

Você deve pensar no Ingress, como um típico Proxy Reverso que colocamos na DMZ, para permitir acesso à sua aplicações que ficam na Intranet. No modelo tradicional usariamos um Apache HTTP server ou um Nginx, pra controlar o tráfego e proteger contra ataques da Internet.

Em um ambiente Java tradicional, teríamos um Load Balancer ou um HTTP Server na frente dos Servidores de Aplicação, mas no Kubernetes temos as figuras do Service e dos PODs, respectivamente.

Adicionei a personagem do Operado de Proxy, que seria do Admin que faz alteração no arquivo .conf. Já no K8s, essa tarefa é executada através do comando kubectl. Podendo usar o linha de comando ou através de um arquivo yaml.

Acredito que tenho deixado mais claro o funcionamento do Ingress. Bye.

Leia também:

  • Sem textos relacionados

Prós e Contras de ter um ou vários Clusters de Kubernetes

Montei uma lista de prós e contras que podem ajudar você e a sua empresa a decidir, sobre a necessidade de ter apenas um ou vários clusters de Kubernetes.

Razões para ter um único cluster:

  1. Reduzir a sobrecarga de configuração, manutenção e administração
  2. Melhor utilização de recursos
  3. Reduzir a latência entre aplicativos em vários clusters
  4. Redução de custos

Neste caso você utiliza Namespaces para poder separar os ambientes, como por exemplo Desenvolvimento, Homologação e Produção.

Razões para ter vários clusters:

  1. Limites de escalabilidade, por exemplo, um cluster Kubernetes tem um limite de nodes, pods, services.
  2. Separação de Desenvolvimento, Homologação e Produção.
  3. Separação para testar uma nova versão do Kubernetes.
  4. Segurança e Conformidade: de acordo com alguns regulamentos, alguns aplicativos devem ser executados em clusters/VPNs separados e diferentes políticas de segurança.
  5. Multi-fornecedor: para se proteger de práticas de Lock-in. Usando de clusters de vários fornecedores.
  6. Nuvem Pública/On Premise: para dividir a carga e o custo.
  7. Regionalidade para latência: executar clusters em diferentes regiões geográficas para reduzir a latência nessas regiões.
  8. Regionalidade para disponibilidade: executar em clusters em diferentes regiões/zonas de disponibilidade para reduzir os danos de um datacenter/região com falha.
  9. Facilitar a cobrança: Isolamento de cluster para facilitar a cobrança.

Leia também:

Novo local para o IBM Collaboration Solutions Catalog

O catálogo de produtos da IBM Collaboration Solutions que antes ficava no Greenhouse, migrou para uma nova url –> https://xspy.mybluemix.net/

Nele estão disponíveis:

  • IBM Connections Desktop Plug-ins for Microsoft Windows
  • IBM Connections Plug-ins for IBM Notes
  • Web Application Integrator for IBM WebSphere Portal
  • ….

Leia também:

Performance com Strings e StringBuilder em Java

Semana passada, estava trabalhando em uma ferramenta em java, que coletava algumas informações e gerava uma saída para um arquivo txt.

Ao testar a ferramenta com um grande volume de dados, me surpreendi que ela gastava mais tempo de execução na concatenação de String do que na escrita do arquivo.

Não podia deixar a ferramenta assim e como um bom programador resolvi melhorar o meu código. E olha como ficou o resultado.

Na primeira versão concatenava usando apenas Uma String (output), código abaixo:

long prev_time = System.currentTimeMillis();
long time;
String output = "";

for (Device device : this.devices) {
 output += "\"deviceid\": \"" + device.deviceid + "\", ";
....
}
time = System.currentTimeMillis() - prev_time;
System.out.println("Time after for loop " + time);

O resultado foi “Time after for loop 233117 ms“, a ferramenta gastava aproximadamente 4 minutos para executar.

Na segunda versão, usei Duas Strings (output e output2) para fazer a concatenação, código abaixo:

long prev_time = System.currentTimeMillis();
long time;
String output = "";

for (Device device : this.devices) {
 String output2 = "";
 output2 += "\"deviceid\": \"" + device.deviceid + "\", ";
....
 output += output2;
}
time = System.currentTimeMillis() - prev_time;
System.out.println("Time after for loop " + time);

O resultado foi “Time after for loop 22929 ms“, a ferramenta agora gastava apenas 22 segundos para processar. Muito bom!!!

Achei que não deveria parar nesse valor e procurei qual outro tipo de classe Java, que poderia utilizar, e num pesquisa rápida encontrei o StringBuilder.

Na terceira versão usei o StringBuilder, veja código abaixo:

long prev_time = System.currentTimeMillis();
long time;
StringBuilder sb = new StringBuilder();

for (Device device : this.devices) {
 String output2 = "";
 output2 += "\"deviceid\": \"" + device.deviceid + "\", ";
....
 sb.append(output2);
}
time = System.currentTimeMillis() - prev_time;
System.out.println("Time after for loop " + time);
String output3 = sb.toString();

O resultado foi  “Time after for loop 137 ms“, impressionantes 137 milissegundos.

Performance é sempre um desafio, mas melhor ainda é compartilhar. #FicaADica

Leia também:

Engenharia de Software: Métodos Ágeis – SCRUM

Artigo da Série Engenharia de Software.

O tema de hoje: SCRUM.

Scrum é uma metodologia ágil para Gerenciamento de Projetos. Ela é baseada em ciclos de 2 a 4 semanas chamados Sprints.

Nos Sprints, se trabalha para alcançar objetivos bem definidos. Estes objetivos (requisitos do sistema) estão no Product Backlog, e são constantemente atualizados e re-priorizados.

No Scrum, as pessoas tem seus papéis:

  • Product Owner

É o ponto focal do projeto, pois tem a visão do negócio. É quem prioriza o Product Backlog.

  • Scrum Master

É um lider/facilitador. Ajuda a equipe a resolver problemas e assegura a prática do Scrum. Não tem autoridade sobre a equipe.

  • Time Scrum

É a equipe de Desenvolvimento. No Scrum, a equipe se auto-organiza e tem poder para definir, inclusive com possibilidade de remove membros da equipe.

Como funciona?

Pega-se os itens do topo da lista no Product Backlog, e define-se um Sprint. Na Execução do Sprint, estes itens são chamados de Sprint Backlog, e são distribuídos no time Scrum.

O Scrum Master faz reuniões diárias de 15 minutos (Daily Scrum) para saber o andamento. Nesta reuniões cada membro deve responder as seguintes questões:

  • O que foi feito?
  • O que tem pra hoje?
  • Tá com algum problema?

No final do Sprint, temos como entrega o produto de Sprint e o Document-of-Done (DoD). Deve ser feita uma revisão pela equipe do produto entregue (Sprint Review) e do  processo (Sprint Retrospective), afim de melhorar ambos.

Leia também: